Twitter Facebook

Siga Cândido Nóbrega

29 DEZ
20h01

Madalena Abrantes: 2017 foi um ano de superação para a Defensoria Pública


Madalena Abrantes: 2017 foi um ano de superação para a Defensoria Pública

A defensora pública geral da Paraíba, Madalena Abrantes considerou o ano de 2017,  primeiro de sua gestão à frente da Instituição, como dos mais positivos, com muitas conquistas a serem valorizadas pelo exercício de superação que foi de dinamizar e estadualizar ações voltadas ao melhor funcionamento da máquina administrativa e prestação de serviços aos assistidos.

Ela fez um retrospecto favorável, mesmo diante das dificuldades enfrentadas para suprir o déficit de defensores públicos e implantar Programas, causadas pela redução mensal do duodécimo a que a DPPB tem direito, num exercício de superação que uniu e fortaleceu a categoria em torno da defesa das autonomias administrativa, funcional e orçamentária da Instituição.

Parcerias de resultados

“Nesse contexto, contamos com a sensibilidade, por exemplo, de prefeitos e presidentes dos Tribunais de Justiça e de Contas, para estabelecimento de parcerias, voltadas à doações que vão desde computadores a terrenos para instalação de Núcleos de Atendimento, bem como publicações dos atos da DPPB no Diário da Justiça eletrônico”, destacou.

Dentre essas parcerias, Madalena também citou as firmadas com a Vara de Execução Penal da Capital, para a reinserção social de reeducandos por meio de palestras motivacionais e com a Secretaria estadual de Segurança e Defesa Social, que permitiu a instalação de duas salas de atendimento a mulheres vítimas de violência doméstica por defensores públicos e assistentes sociais nas delegacias especializadas, bem como uma Central de Comunicação de Prisão em Flagrante na Central de Polícia, em João Pessoa.

Junto à Câmara Municipal de João Pessoa foi viabilizada a inauguração de um Núcleo de Atendimento na Casa de Napoleão Laureano. O número de atendimentos em 2017 superou a marca de 150.000, 16.632 destes realizados nos estabelecimentos penais de João Pessoa, Campina Grande, demais Comarcas do estado e Casas Educativas. Esse quantitativo excede em cerca de 17% o número registrado em 2016, que foi de 14.123.

Momento histórico
“Um momento histórico este ano foi a posse dada pelo Conselho Superior a 20 novos defensores públicos, resultado de uma série de batalhas iniciada há seis anos, quando assumimos a APDP, para reforçar através de concurso público os quadros da DP, fortalecendo-a como Instituição essencial à democracia, o que nos permitirá, inclusive, prestar à população em situação de rua, além da assistência jurídica gratuita formal, uma atuação conjunta com a Igreja e outros órgãos voltados à ação social, saúde e segurança.”, lembrou.

Esse seu primeiro ano de gestão foi marcado ainda pela descentralização administrativa e busca por melhores condições de trabalho a atendimento, através da inauguração da
sala da Defensoria Pública em Pombal, da Câmara de Mediação e Conciliação de Família, da
reativação de Núcleo em defesa de LGBT’s, da criação dos núcleos de Saúde e Mediação e do Projeto Defensoria Itinerante, que leva às comunidades assistência jurídica gratuita e inaugurações de Núcleos de Atendimento na Capital e em Campina Grande.

Em maio, por meio de casamento coletivo, foi regularizada a situação civil de70 casais indígenas potiguara de 32 aldeias localizadas nos municípios de Marcação, Baía da Traição e Rio Tinto, que há muito conviviam em constituição familiar e com a oficialização do matrimônio, puderam resolver pendências previdenciárias e ter acesso a pensões e aposentadorias, dentre outros benefícios.

A população em situação de rua assistida pelo Projeto “Pão nosso de cada dia”, desenvolvido em João Pessoa pelo padre Glênio Guimarães, da Arquidiocese da Paraíba, contará também com o apoio da Defensoria Pública da Paraíba. A colaboração será por meio de assistência jurídica gratuita formal, além da atuação conjunta com outros órgãos voltados à ação social, saúde e segurança.

“Em 2017 os defensores públicos também receberam a identidade funcional nacionalmente regulamentada e adiantamos o processo para que a Defensoria Pública utilize como sede o prédio onde funcionou o Hotel Tropicana, no centro da cidade, atualmente desativado. Por tudo isso, concluímos que chegamos ao fim desse ano com um saldo bastante positivo”, concluiu.

 

Postado às 20h, por Cândido Nóbrega


Seu comentário agora é social. Você precisa estar conectado no Facebook para postar seus comentários.

"Este blog não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".