Twitter Facebook

Siga Cândido Nóbrega

13 ABR
18h14

“Liberação do FGTS a quem se demitir implicará em prejuízos à habitação e empregos”, prevê Sindicato


“Liberação do FGTS a quem se demitir implicará em prejuízos à habitação e empregos”, prevê Sindicato

A expectativa de ser convertido em lei projeto que autoriza que autoria o saque integral da conta vinculada por trabalhador que pedir demissão, preocupa o Sindicato da Indústria da Construção e do Mobiliário do Estado da Paraíba, pelo volume de retiradas que deve ocorrer, caso a proposta, aprovada quarta-feira pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado, venha a ser referendada pela Câmara dos Deputados e sancionada pelo presidente Michel Temer.

O presidente do Sinduscon-PB, Helder Campos, prevê que em acontecendo isso, mesmo a contra-gosto do governo federal, haverá um elevado impacto no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, que por sua vez implicará na redução de financiamentos de moradia, obras de saneamento e infraestrutura, que são executadas a taxas de juros mais baixa, resultando assim menos empregos a serem gerados.

Pelas atuais regras, o saque de 100% do dinheiro depositado no FGTS é permitido apenas aos trabalhadores demitidos sem justa causa. Atualmente, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) já prevê o resgate de 80% do FGTS em casos de acordo entre patrão e empregado. O saque integral também pode ser feito quando a conta está inativa por três anos. Também estão previstos saques para doentes terminais, pessoas com câncer ou portadores do vírus HIV, dentre outros.

 

 

Postado às 18h, por Cândido Nóbrega


Seu comentário agora é social. Você precisa estar conectado no Facebook para postar seus comentários.

"Este blog não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".