Twitter Facebook

Siga Cândido Nóbrega

30 SET
19h37

Projeto de lei atribui novas funções aos Oficiais de Justiça, tornando Judiciário mais eficiente


Projeto de lei atribui novas funções aos Oficiais de Justiça, tornando Judiciário mais eficiente

O deputado Ricardo Silva (PSB/SP) apresentou ontem (terça-feira) o Projeto de Lei n.º 4755/2020 que altera o art. 154 do Código de Processo Civil e inclui novas atribuições ao cargo de Oficial de Justiça, que passariam a atuar como agentes de inteligência do Poder Judiciário, além de ter a atribuição de realizar inspeções judiciais e lavrar autos de constatação.

Em sua justificativa, o parlamentar lembra que o PL foi elaborado com a colaboração da Associação Federal dos Oficiais de Justiça do Brasil, Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba e do Oficial de Justiça Joselito Bandeira (à esq. foto), diretor legislativo da Afojebra e vice-presidente do Sindojus-PB, entusiasta da iniciativa.

Regulamentação

“Nesse contexto, vale ressaltar que os magistrados, valendo-se do previsto no artigo 154, II ,do CPC - que diz que o Oficial de Justiça deve executar as ordens do juiz a que estiver subordinado - sempre delegam a função de realizar inspeção judicial ao Oficial de Justiça. Com esse Projeto, apenas buscamos regulamentar e tornar de direito o que já acontece de fato”, afirmou Joselito.

De acordo com o texto do PL o art. 154 do CPC terá o acréscimo de três incisos, além de outras de alterações nos parágrafos 2° e 3°:

Art. 2º - O art. 154 da Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015 (Código de Processo Civil) passa a vigorar acrescido dos incisos VII, VIII e IX e dos §§ 2º e 3º, renumerando-se o parágrafo único, com a seguinte redação:

“Art. 154. ..........................................................................................................

..........................................................................................................................

VII – atuar como agente de inteligência do Poder Judiciário; (NR)

VIII – realizar inspeções judicias; (NR)

IX - lavrar autos de constatação. (NR)"

Clique aqui e leia o inteiro teor do referido Projeto de Lei.

Ricardo Silva destacou que "O Oficial de Justiça, conforme estabelecido pelo art. 149 do Código de Processo Civil, é um auxiliar da justiça com relevante atuação em múltiplas atividades no cotidiano do poder Judiciário. Dentre as suas inúmeras atribuições, destacam-se aquelas previstas nos artigos 154, 455, §5º, 536 e 846 do Código de Processo Civil, nos artigos 218 e 763 do Código de Processo Penal, no artigo 22 da Lei n.º 11.343/2006 (Lei Maria da Penha), no artigo 3º da Lei 11.473/2007 (que dispõe sobre a Força Nacional de Segurança), na Lei nº. 6.830, de 22 de setembro de 1980 (que disciplina a cobrança da dívida ativa por meio das execuções fiscais), além de outras previstas na Lei de Organização Judiciária de cada Tribunal."

Potencial para múltiplas funções

Segundo ele, "é inequívoco que o Oficial de Justiça possui potencial para exercer muitas outras funções que poderiam conferir ainda mais celeridade, economicidade e efetividade à prestação jurisdicional, tais como (I) a realização de atividades de inteligência para pesquisas patrimonial e de paradeiro, entre outras, sobretudo mediante a utilização de novas tecnologias e acesso a bancos de dados mantidos por diversos órgãos públicos, e (II) a condução, por delegação, da inspeção judicial prevista no art. 481 do CPC, coletando as provas necessárias à formação imparcial do convencimento do juiz.".

Ainda de acordo com o deputado, "Com a capacitação dos Oficiais de Justiça para atuarem como agentes de inteligência, o Poder Judiciário disporá de eficazes ferramentas para a localização de bens para satisfação de créditos em execuções cíveis e fiscais, bem como na localização de pessoas para o efetivo cumprimento de comunicações processuais e de mandados de prisão, tornado assim efetiva a prestação jurisdicional".

Por fim, Ricardo Silva alertou que "o provimento do cargo de Oficial de Justiça, realizada mediante dificílimo concurso público, exige como pré-requisito mínimo a graduação em Direito assim como para os cargos de Juiz, Membros do Ministério Público, Defensoria Pública e Delegados de Polícia. Ademais, parcela significativa dos Oficiais de Justiça não conta apenas com formação superior, mas sim com títulos acadêmicos de pós-graduação, seja como Especialistas, Mestres ou Doutores, compondo uma força de trabalho qualificadíssima que pode atuar de modo muito mais eficaz na prestação jurisdicional, contribuindo sobremaneira com a celeridade processual e eficiência do serviço público, conforme preconizado pelo art. 37 da Constituição Federal."

 
 
 

Postado às 19h, por Cândido Nóbrega


Seu comentário agora é social. Você precisa estar conectado no Facebook para postar seus comentários.

"Este blog não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".