Twitter Facebook

Siga Cândido Nóbrega

20 OUT
15h43

PBPREV tem 10 dias para equiparar subsídios de defensores públicos aposentados aos da ativa


PBPREV tem 10 dias para equiparar subsídios de defensores públicos aposentados aos da ativa

A PBPREV tem um prazo de 10 (dez) dias para comprovar o cumprimento  da decisão transitada em julgado do Superior Tribunal de Justiça que determina ao Órgão a implantação dos  subsídios defensores públicos aposentados, equiparados aos da ativa.

A intimação do presidente José Antônio se deu ontem (sexta-feira) se deu por determinação da desembargadora Maria das Graças Morais Guedes, cumprindo decisão do Superior Tribunal de Justiça.

A decisão, que determina a implantação dos subsídios fixados na Lei Estadual n. 10.380/2014 para os associados inativos/aposentados que outorgaram poderes expressos para a APDP decorre de um Mandado de Segurança impetrado pela Associação há cinco anos, em 2015.

Viés protelatório e desumano

“Nesse período, na gestão do ex-governador Ricardo Coutinho, a PBPREV se valeu de forma desumana, de inúmeros recursos de viés protelatório, para não conceder um direito líquido e certo a colegas que dedicaram suas vidas à Defensoria Pública, muitos dos quais, em razão da avançada idade e graves enfermidades, acumularam prejuízos mensais, com muitos deles tendo vindo a óbito”, afirmou o presidente da APDP, Fábio Liberalino.

Ele acrescentou que a entidade continuará diligente, acompanhando e buscando agilizar a movimentação do processo até o seu deslinde e em sucessivo, cobrará a diferença dos salários atrasados, de fevereiro/2015 até o cumprimento da determinação pelo Órgão, previsto para este mês ou o próximo.

Fim da via crucis

Em maio passado, o STJ já tinha julgado um último recurso interposto pela PBPREV de um recurso extraordinário ao STF, onde em uma decisão monocrática o ministro-presidente Humberto Martins decidiu que não cabia recurso extraordinário de decisões do STJ que não tenham apreciado o mérito ou que não tenham mudado a decisão de mérito de Tribunal Inferior, no caso o TJPB. Inconformada, a PBPREV entrou com um Agravo em Recurso Extraordinário.

“Quando a Associação Paraibana dos Defensores Públicos apresentou as contra-razões desse Recurso, entramos em paralelo com uma petição à parte, um pedido de reconsideração, pedindo a baixa do processo, porque todas as decisões prolatadas pelo STJ, em nenhuma delas tinha sido concedido efeito suspensivo ao Recurso, até porque nenhuma delas apreciava o mérito, ficava sempre na inadmissão do Recurso Especial”, lembrou a advogada Ciane Feliciano.

Em agosto passado foi decidido que realmente transitou em julgado desde a última decisão, que foi em maio deste ano e recentemente  foi baixado definitivamente para o Tribunal de Justiça.

Postado às 15h, por Cândido Nóbrega


Seu comentário agora é social. Você precisa estar conectado no Facebook para postar seus comentários.

"Este blog não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".