Publicado em 05/07/2018 às 20:17

Estação experimental de Camaratuba produz insumos biológicos de combate à pragas de cana-de-açúcar

A Paraíba possui dois laboratórios que produzem insumos biológicos capazes de controlar duas das principais pragas que atacam os canaviais no Estado: a Broca Comum e a Cigarrinha da Folha. Os laboratórios da Estação Experimental de Camaratuba produzem, mensalmente, 15 milhões de Cotesia flavipes (Vespas) e três toneladas de Metahizium anisopliae (Fungo). A Estação Experimental é mantida pela Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), através de convênios com o Ministério da Agricultura, Instituto Nacional de Meteorologia e Secretaria de Agricultura da Paraíba.  Os insumos produzidos na Estação são registrados e aprovados para uso da agricultura orgânica.
 
Mercados
 
Segundo o biólogo e coordenador dos laboratórios de controle de pragas, Roberto Balbino, a produção da Cotesia flavipes, uma vespa utilizada no combate à Broca-Comum, é vendida nos mercados da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Já o fungo Metarhizium amisopliae, para o controle da Cigarrinha, é vendido no mercado paraibano. Os associados da Asplan recebem os insumos gratuitamente, bastando para isso apenas solicitar o material. De acordo com o biológo, estas pragas são corriqueiras na região Nordeste e costumam incidir mais entre o período de março à agosto, devido as condições climáticas, que ficam, nesta época, favoráveis para o surgimento e proliferação das pragas. 
 
Sobre a Estação
 
A Estação Experimental foi instalada em 1979, através de um convênio entre o extinto Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA) e a Asplan. Desde 1989, a Associação assumiu a Estação e buscou novos parceiros para dar continuidade as pesquisas que vinham sendo desenvolvidas. Atualmente, uma equipe formada por 12 profissionais, entre auxiliares técnicos, técnicos de nível médio e superior, trabalha no local. A área possui 220 hectares, sendo 80 deles para o cultivo de cana-semente e também uma área de plantação destinada à pesquisa agrícola. Os demais 140 hectares constituem área de preservação ambiental, já que a Estação está localizada em reserva de Mata Atlântica. Quem tiver interesse em adquirir os insumos ou conhecer os laboratórios basta ligar para a Asplan no 3241-6424 ou na Estação através do celular 98859-1288.