Publicado em 10/11/2013 às 13:47

Até quando ?

No Brasil, a exemplo de outras, a lei seca também foi feita para ser descumprida.  O trucidamento no trânsito da defensora pública Fátima Lopes e da jovem Raíza, aos 17 anos de idade, filha do policial federal Deusimar Guedes, não surtiu os efeitos pedagógicos em uma população que tem de ser educada com campanhas de faixas de pedestre.

A mais recente perda irreparável tem o nome de Bruno Fonseca, 35 anos, vitimado junto a esposa na manhã deste domingo no bairro do Bessa, quando, tal qual Fátima e o esposo, se deslocavam a uma missa dominical. É o que noticia a imprensa tupiniquim, preservada a identificação do autor, devido a classe social.


As circunstâncias associadas nos três casos são comuns: uma caminhonete, sintomas de embriaguez e excesso de velocidade. E os efeitos, também: comoção, indignação e protestos.

Nesse contexto, uma pergunta que não quer calar: quantos cadáveres mais surgirão até que essa lei seja efetivamente aplicada ?