Publicado em 07/10/2019 às 20:31

Assistidos pela Defensoria Pública em Araruna e Região podem ficar sem atendimento

Centenas de pessoas carentes assistidas mensalmente pela Defensoria  Pública do Estado (DPE-PB) na Comarca de Araruna - que também inclui a população de Riachão e Tacima - poderão ficar sem atendimento e  assistência judiciária gratuita prestada pela Instituição a partir desta  semana.
 
“Na última quarta-feira, a juíza-diretora do Fórum, Cláudia de Farias Queiroz nos comunicou oralmente através da gerente Claudineia, que teríamos de desocupar ‘o mais rápido’ possível a sala cedida à DPE-PB”, afirmou, perplexa, a defensora pública que atua na Comarca, Valéria  Fonsêca.
 
Ela externou sua preocupação com as consequências da medida, pois devido às limitações orçamentárias que a Defensoria enfrenta e ao seu  imediatismo, os maiores prejudicados serão justamente às pessoas pobres  na forma de lei, que não podem pagar a um advogado particular.
 
Esse prejuízo pode ser dimensionado pela crescente demanda diária, que teve de ser limitada a até 20 atendimentos dos mais variados deles, os  mais comuns nas áreas penal e de família, como investigação de  paternidade, adoção e divórcio. Até o fechamento dessa matéria, a  Defensoria Pública da Paraíba não havia sido formalmente informada da  referida decisão.