Publicado em 10/01/2020 às 09:37

SINDESEP se mostra preocupado com saúde da Paraíba e promete tomar providências

O Presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde da Paraíba. (SINDESEP-PB),  Roberto de Andrade de Leôncio,  alertou neste domingo ( 5) que as medidas tomadas pela Secretaria de Estado da Saúde  só vem prejudicar ainda mais mais a população da grande João Pessoa  e de cidades circunvizinhas. “Vejo com muita preocupação essa nova mudança que está acontecendo no Hospital de Trauma Humberto Lucena” lamentou.
 
De acordo com Roberto Leôncio, a Secretaria de Saúde do Estado vem reduzindo o número de leitos, fechando os hospitais de retaguarda e deixando a população numa situação difícil.  Ele explicou que  Hospital de Trauma implantou o sistema de transferência de pacientes para o  Hospital  Metropolitano e para o Clementino Fraga  Fraga  que é de alta complexidade de  doenças infectocontagiosas  ” e  nós, trabalhadores da área de saúde, ficamos preocupados com nossas atividades e responsabilidades que nós temos sobre essa situação porque não vamos ter condições de dar uma assistência adequada a esses pacientes”, alertou. Ainda segundo Roberto Leôncio, devido a redução de leitos,  um grande número de pacientes vai ficar esperando por várias horas pelo atendimento.
 
Outra preocupação do (SINDESEP-PB)  é com relação  a essa nova contratação de pessoas pela PBSaúde. De acordo  com o sindicalista,   essa lei que  garante ao trabalhador a sua estabilidade e seus direitos ainda vai ser aprovada pela Câmara e pela  Assembleia  Legislativa. Ainda segundo Roberto Leôncio,  estão forçando a todos os funcionários das Organizações Sociais a assinarem um contrato indigno da profissão de qualquer trabalhador. “Se esses contratos continuarem sendo assinados desta forma, nós vamos paralisar todos os serviços de saúde”, alertou.
 
Diante dessa situação,   o ( SINDESEP-PB) juntamente com outras categorias da área de saúde estarão se reunindo  para paralisar essas atividades ilícitas  que estão sendo feitas com todos os trabalhadores da saúde. “Passou a época da escravidão. Todo trabalhador ou qualquer profissional de qualquer área tem que  ser respeitado. São  pessoas dignas de atendimento de responsabilidade máxima para exercer suas funções.  Vamos tomar todas providências  cabíveis para acabar com esses desmandos que ora vem sendo praticados contras os trabalhadores na saúde sem, ao menos, chamar os representantes desses trabalhadores para discutir sobre a situação”, finalizou Roberto Leôncio.