Twitter Facebook

Siga Cândido Nóbrega

Cândido Nóbrega


14 OUT
15h30

Sintur-JP bloqueia mais de 2.600 cartões do Passe Legal no mês de setembro


Sintur-JP bloqueia mais de 2.600 cartões do Passe Legal no mês de setembro
O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de João Pessoa, Sintur-JP, informa, que durante o mês de setembro, o sistema da biometria facial, que opera nos ônibus da capital, detectou a possibilidade de acesso irregular nos coletivos 83.628 vezes. Após verificação, ficou constatado que 15.005 entradas nos ônibus podem ter sido feitas com passageiros utilizando cartões do Passe Legal de terceiros, o que acarretou no bloqueio de 2.616 usuários no mês passado.
 
A orientação para quem tiver o cartão bloqueado é comparecer à sede do sindicato na Rua 13 de Maio, Centro, João Pessoa. Lá, o usuário é notificado da irregularidade, faz um novo cadastro e solicita um novo cartão de acesso aos ônibus. De acordo com o Sintur-JP, em caso de reincidência o usuário fica bloqueado para utilizar o cartão por 30 dias e, se voltar a reincidir, por 180 dias.
 
Após a implantação completa do sistema de biometria facial no transporte público municipal, o Sintur-JP vem fazendo esse levantamento junto aos centros de operações das empresas a fim de inibir o uso irregular ou fraudulento do transporte coletivo. Em setembro, o maior número de acessos irregulares foi com o Passe Legal Estudantil, com 3.924 cartões tendo sido usados 11.542 vezes. Já nos cartões de gratuidade, a irregularidade representou 22,3% do total.
 
A biometria facial contempla apenas usuários do transporte público que possuem algum tipo de benefício na passagem. Por enquanto, os estudantes e os passageiros que têm direito à gratuidade são os que acessam os coletivos por meio do reconhecimento da face.

Postado às 15h, por Cândido Nóbrega


Seu comentário agora é social. Você precisa estar conectado no Facebook para postar seus comentários.

"Este blog não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço pelos leitores e destacamos que os IPs de origem dos comentários ficam disponíveis para eventuais demandas jurídicas ou policiais".